Palácio da Mogiana



 

Nome popular: Palácio da Mogiana
Identificação Original: Escritório Central da Cia. Mogyana de Estradas de Ferro

História

Com o crescimento das plantações de café no sentido norte-nordeste da região de Campinas, e o avanço da cultura ao interior do estado de São Paulo, a demanda pela estrada de ferro ampliou-se. Neste momento surge a necessidade de instalação de um Escritório Central da Cia. Mogyana de Estradas de Ferro em Campinas. Um primeiro imóvel foi então locado na esquina das ruas General Osório e Anchieta. 
Em 1890 a Companhia adquiriu uma propriedade na Rua Visconde do Rio Branco. Uma chácara com casa assobradada, onde em 1891 iniciou a construção da sua sede, porém no sentido da Rua General Osório, já que a casa da chácara estava construída no sentido da Rua Campos Sales. A nova edificação continha um corpo central, e um torreão no seu lado esquerdo. Após a demolição da casa assobradada, a administração da ferrovia chegou a construir o torreão do lado direito, sentido Rua Campos Sales, porém não no estilo dos corpos já erguidos.
A partir de 1908 começou a ser elaborado um novo projeto para o Escritório Central, cuja execução teve início em 1909. O novo prédio seria construído em estilo eclético, com três corpos denominados: Pavilhão Campos Sales, Central e Pavilhão General Osório. Iniciou-se o projeto na parte do terreno agora desocupada no sentido da Rua Campos Sales. 
O Pavilhão Campos Sales era o mais luxuoso dos três, com mármore de Carrara no hall de entrada, balaustrada confeccionada em bronze com motivos de ramos de café com os nomes dos fundadores da estrada de ferro, candelabros em bronze com cúpulas em porcelana tipo ágata e pinturas murais rebuscadas apresentando ornamentação com motivos florais. 
Em 1910, começaria ser erguido o Pavilhão General Osório, porém na dúvida se a construção de 1891 suportaria as intervenções, decidiu-se pela sua demolição. Este Pavilhão não teve a mesma ornamentação do Pavilhão Campos Sales, com seus elementos mais simples, como a escada e sua balaustrada agora em madeira e suas luminárias e pinturas parietais mais modestas. 
Com a implantação do plano Prestes Maia, que previa o alargamento de vias públicas, entre elas a Rua Campos Sales, a parte da edificação mais suntuosa, o Pavilhão Campos Sales foi demolido parcialmente em 1956 permanecendo os Pavilhões, Central e General Osório. Após a demolição do lado direito da construção e as devidas adequações no pátio interno, em 1957 a Companhia elaborou um projeto para recompor as fachadas e construir um novo Pavilhão Campos Sales no que restou do edifício. Este projeto foi executado parcialmente, sendo possível perceber as intervenções, entre elas, a fachada nos fundos do Pavilhão avançando ao pátio interno.
Com a estatização das ferrovias em 1971, a Companhia Mogyana de Estradas de Ferro, foi incorporada na formação da FEPASA - Ferrovias Paulistas S/A. Em 1998 como pagamento de dívidas estaduais junto ao Governo Federal o imóvel e outros bens do Estado de São Paulo foram entregues ao Ministério da Fazenda.
Atualmente abriga o CPAT (Centro Público de Apoio ao Trabalhador), da Prefeitura Municipal de Campinas.
Processo de Tombamento N° 001/1994 - CONDEPACC

Henrique Anunziata Historiador/CSPC/SMC/PMC

Local:
Rua General Osório, 490 - Centro, Campinas

Telefone:
(19)3232-3168
Categorias
Patrimônio Histórico
Roteiros:
Jornada do Patrimônio - Roteiro Urbano