Nova Casa de Câmara e Cadeia



 

Nome popular: 1º Distrito Policial de Campinas - Delegacia Seccional de Polícia Dr. Guilherme Leme
Identificação Original: Nova Casa de Câmara e Cadeia

História:

A Casa da Câmara e Cadeia foi considerada, no decorrer de quatrocentos anos da colonização portuguesa no Brasil, a sede da administração e da justiça local. Sua localização estratégica, nas principais praças e mercados evidenciava sua importância nas vilas e cidades coloniais, dividindo o poder destes espaços apenas com as igrejas. Como uma instituição municipal, a Casa da Câmara e Cadeia era responsável por estabelecer a ordem e a administração através da concessão de um certo número de garantias aos moradores de dada localidade, revestindo-os de certos direitos e fazendo-os contribuir para a segurança, estabilidade local e crescimento econômico da Metrópole.
A antiga Casa de Câmara e Cadeia situava-se, nos extremos da atual Praça Bento Quirino, onde se localiza o edifício do Jóquei Clube Campineiro – Processo de Tombamento Nº 004/1993 – CONDEPACC, e o Monumento/Túmulo a Carlos Gomes – Processo de Tombamento Nº 001/1999 – CONDEPACC, no coração da vida política, cultural e religiosa da freguesia, da Vila e posteriormente da cidade de Campinas. 
A edificação fora construída em taipa de pilão, e apresentava problemas com umidade, principalmente por falta de manutenção, chegando ao ponto de ter comprometido o seu conjunto estrutural, não proporcionando condições de abrigar os diversos setores da administração pública, tanto que as sessões do júri eram realizadas na casa do próprio juiz. Devido à necessidade de fazer um novo prédio o Governo da Província de São Paulo resolveu construir uma nova edificação para que se finalizassem os problemas.
O crescimento e adensamento da malha urbana em direção a região da Estação da Companhia Paulista de Estradas de Ferro, fez nascer uma nova área de desenvolvimento, que anteriormente se encontrava ocupada por atividades rurais. Com o aumento do trânsito de produtos e passageiros motivou a formação de um espaço especializado de comércio e de serviços, principalmente hospitalar. Devido a esta nova dinâmica urbana o gestor da época Francisco Quirino dos Santos, no ano de 1877, escolheu instalar a antiga instituição na Rua do Campo, atual Av. Andrade Neves, concretizado em 1879. 
O projeto é datado de 1893, e consta uma representação para o novo prédio a bandeira do Império Brasileiro, num claro testemunho de que sua confecção se dera anos antes e que seu projeto nascera orientado por uma estrutura de poder e gestão que, em meio às obras, já se fazia alterada pelo regime republicano. Depois de quase duas décadas de percalços para a liberação de verbas, o edifício foi construído entre os anos de 1895/1896 sendo inaugurado sem festividades. Recebeu os poderes executivo, legislativo e judiciário da cidade de Campinas, cuja planta foi assinada pelo engenheiro/arquiteto Francisco de Paula Ramos de Azevedo e sua construção ficou a cargo do Engenheiro Antonio Raffin, sob supervisão do Engenheiro Emílio Daufresne (Governo do Estado). 
O edifício que logo se faria conhecer como “Cadeia Nova” fora projetado para receber as instalações da antiga Casa de Câmara e Cadeia, localizada no Largo da Matriz Velha (hoje, Praça Bento Quirino), e para tanto, seu projeto mantinha as funções de cadeia no andar térreo/subsolo e atribuía para a Câmara Municipal (poder legislativo), para o Tribunal Popular de Júri (poder judiciário) e para a intendência (poder executivo), o andar superior. Além de espaços apropriados, o prédio também contaria com acabamentos refinados e com uma movelaria especialmente encomendada para o exercício das funções.
Com a promulgação da República, as três instâncias de poder e gestão passaram a operar com maior distinção, esvaziando-se o sentido original atribuído ao edifício. Em poucos anos, a Intendência deu lugar à Prefeitura Municipal, seguindo a administração executiva em conjunto com a Câmara Municipal, em 1908, para o grande edifício adquirido pela municipalidade: a Residência dos Ferreira Penteado.
Processo de Tombamento Nº 004/1988 - CONDEPACC

Henrique Anunziata Historiador/CSPC/SMC/PMC

Local:
Av. Andrade Neves, 471

Telefone:
3231-3900
Categorias
Patrimônio Histórico